OMS reconhece Síndrome de Burnout como fenômeno relacionado ao trabalho

A nova definição da condição passou a valer neste mês de janeiro, a partir da vigência da nova CID-11.

Cognys

  • 17/01/2022
  • 0
  • 0
  • 0
Favoritar
A síndrome de Burnout se refere especificamente a um fenômeno diretamente associado às relações de trabalho e não pode ser aplicada em outras áreas e contextos de vida dos indivíduos. (Fonte: iStock)

A síndrome de Burnout, doença que levou o Brasil a ocupar o segundo lugar no ranking de trabalhadores com “síndromes do trabalho”, passou a ser reconhecida como um fenômeno diretamente relacionado ao trabalho pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa nova classificação da condição passou a valer neste mês de janeiro, com a vigência da nova Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11).

A OMS explica que a síndrome de Burnout se refere especificamente a um fenômeno diretamente associado às relações de trabalho e não pode ser aplicada em outras áreas e contextos de vida dos indivíduos. Além disso, a Organização também acrescenta que, caso o trabalhador reconheça os sintomas, deve procurar um médico para uma análise profissional. Com isso, o médico irá avaliar se o funcionário deve ou não ser afastado de suas funções. A empresa deve custear o pagamento caso o afastamento seja de até 15 dias.

Após esse período, o empregado será submetido a uma perícia do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para que o órgão veja e, confirmando o diagnóstico, arque com o custeio do afastamento por mais tempo. Segundo o advogado trabalhista Vinícius Cascone, caso o empregador não disponibilize o encaminhamento em caso de afastamento, o trabalhador pode e deve buscar diretamente o INSS ou entrar com ação judicial caso ocorra uma negativa do órgão.

Link da notícia completa, clique aqui.

COGNYS
oms
síndrome de burnout
saude
trabalho
fonte: Correio Braziliense