Baixo estoque de dipirona afeta hospitais de todo o Brasil, afirma Conasems

No Rio de Janeiro, o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde apontou a ausência de outros 130 medicamentos.

Cognys

  • 13/05/2022
  • 0
  • 0
  • 0
Favoritar
Nesta semana, o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Rio de Janeiro lançou um alerta sobre a falta de remédios injetáveis e de soro fisiológico. (Fonte: iStock)

Segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), a falta de dipirona monoidratada 500mg injetável já atinge todos os estados do Brasil. O medicamento, indicado para o alívio de dor e febre, é um dos mais utilizados na rede de saúde. O Conselho comunicou ao Ministério da Saúde sobre o problema, mas ainda não obteve resposta.

Nesta semana, o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Rio de Janeiro (Cosems-RJ) lançou um alerta sobre a falta de remédios injetáveis e de soro fisiológico. O Cosems-RJ apontou a falta de mais de 130 medicamentos na rede hospitalar, dentre eles antibióticos, pré-anestésicos e amoxicilina para uso pediátrico. A falta de medicamentos já afeta as redes pública e privada, inclusive em farmácias. Neste cenário, os médicos têm tentado encontrar outros itens que substituam os medicamentos faltosos.

A Associação Brasileira da Indústria de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi) aponta que o Brasil ainda sofre com os efeitos da pandemia na logística de medicamentos. No caso da dipirona injetável, o laboratório Teuto, responsável por quase 60% da produção do medicamento no Brasil, anunciou em fevereiro uma pausa na fabricação do remédio por tempo indeterminado.

Link da notícia completa, clique aqui.

fonte: CNN Brasil