Varíola do macaco: entenda o novo surto

Descoberta há quase duas décadas, a doença rara voltou a apresentar novos casos durante a pandemia de COVID-19.

  • 30/07/2021
  • 0
  • 0
  • 6
Favoritar
Varíola do macaco: entenda o novo surto. (Fonte: iStock)

A pandemia do novo coronavírus causou grande preocupação na população, fazendo com que a preocupação com outras doenças importantes fosse colocada de lado. Além disso, a falta de conhecimento sobre ciência e saúde e os movimentos negacionistas (como o movimento antivacina), levaram outras doenças, previamente erradicadas ou controladas, a ganharem espaço durante este período.

A doença que vem chamando a atenção de autoridades de saúde ao redor do mundo é a varíola dos macacos. Identificado pela primeira vez em humanos em 1970, na República Dominicana do Congo (RDC), o patógeno voltou a ser identificado recentemente, nos Estados Unidos e no Reino Unido.

A seguir, confira um resumo feito pelo Cognys, com as principais informações sobre as ocorrências da doença rara em humanos, além dos principais dados sobre sua transmissão. Confira também um compilado de estudos que 

A doença

A chamada varíola dos macacos, ou vírus Herpes B,  é uma doença contagiosa rara causada pelo vírus da mesma família do vírus da varíola, porém com infecção mais leve do que a observada em casos comuns da doença. 

Até o momento, não foram apresentados registros de transmissão do vírus de humano para humano. No entanto, o motivo de maior preocupação entre os cientistas está relacionado à capacidade de mutação do patógeno, que poderia fazer dele um vírus capaz de ser transmitido entre pessoas. Assim, o risco de um surto entre humanos seria maior.

Embora seja comum em macacos, quando a doença rara atinge humanos, ela se apresenta através de febres, erupções cutâneas, bolhas que causam dores, inchaço nos gânglios linfáticos e, até inflamação no cérebro. Até o momento não existe uma forma de tratamento e, quando a doença apresenta casos graves, pode ser fatal. No entanto, a vacina para varíola possui eficácia de 85% contra a varíola dos macacos, ainda que ela não venha sendo distribuída amplamente desde que a doença foi erradicada, em 1980.

Novos casos durante a pandemia

Embora seja mais comum e prevalente na África, especialistas acreditam que o caso identificado nos Estados Unidos tenha acontecido após um homem infectado, vindo da Nigéria, levar a doença ao país. A viagem colocou em risco mais de 200 pessoas, de 27 estados americanos, que entraram em contato com o paciente durante a viagem. Entretanto, os Centros de Controle de Doenças (CDC) acreditam que, devido ao uso de máscaras, o risco de contágio através de gotículas respiratórias infectadas é baixo e não preocupa.

Já no Reino Unido, mais 3 casos da doença foram identificados no País de Gales, no entanto, ainda não está claro se os casos no Reino Unido têm relação com o paciente do Texas, nos Estados Unidos.

Cadastre-se gratuitamente no Cognys e tenha uma experiência personalizada com nossos conteúdos!
Já tem uma conta? Faça login.

Estudos

A seguir, confira alguns estudos, publicados nos principais periódicos científicos do mundo, sobre a varíola do macaco. Entre as pesquisas estão uma discussão sobre a maneira correta de disseminar informações em meio a um possível surto de uma doença, uma investigação de casos da doença ocorridos nos Estados Unidos e uma revisão de artigos médicos e exames relacionados à doença.

BMJ

Estudo publicado no British Medical Journal (BMJ) traz reflexões sobre o papel da mídia na disseminação de informações sensacionalistas sobre o vírus do macaco, causando ansiedade na população. Além disso, o artigo ainda traz a necessidade de uma plataforma de comunicação atualizada sobre a doença para que sejam notificados de forma precisa informações sobre a mesma.

Leia o artigo completo aqui.

JAMA Dermatology

Estudo publicado no JAMA Dermatology investigou casos de varíola dos macacos ocorridos no território norte-americano em 2003, de pessoas que tiveram contato com animais de estimação mamíferos selvagens ou exóticos, ou pessoas que tiveram contato com pessoas infectadas pelo patógeno. O artigo atualiza, ainda, resultados da investigação epidemiológica, informações sobre a utilização da vacina contra a varíola durante este período e a identificação da origem da doença.

Leia o artigo completo aqui.

NEJM

Estudo publicado no New England Journal of Medicine revisou artigos médicos, realizou entrevistas e exames com pacientes da varíola do macaco, e cães de pradaria. O artigo, de 2004, aborda de que forma o contato direto com os cães que estavam sendo vendidos ou mantidos como animais de estimação, nos Estados Unidos, causou a infecção de humanos.

Leia o artigo completo aqui.

Cognys
Cognys

O Cognys é uma solução digital completa, que entrega para o profissional da área de saúde os mais importantes recursos para ajudá-lo em sua rotina diária e aprimoramento constante.

variola
variola do macaco