Janeiro Branco: a importância da saúde mental

Conheça mais sobre a campanha, saiba como ela atua e entenda sua importância durante a pandemia.

  • 19/01/2021
  • 0
  • 0
  • 0
Favoritar
A campanha do Janeiro Branco acontece desde 2014, para promover a importância da saúde mental. (Fonte: iStock)

O ano de 2020 ficou marcado na história, carregando com ele a pandemia de COVID-19, o maior desafio da carreira de todos os profissionais da saúde ao redor do mundo. Embora o ano já tenha ido embora, as batalhas na linha de frente no combate à doença, causada pelo SARS-CoV-2, continuam.

Por isso, logo neste início de 2021, uma campanha anual ganha uma importância ainda maior neste momento. A campanha do Janeiro Branco, que existe desde 2014, chega a este ano com uma relevância nunca antes vista. Em meio a uma pandemia, que trouxe condições extremas, a saúde mental de todos ficou exposta a um grande desafio.

No caso dos profissionais da saúde, estão os problemas causados por uma rotina dura de trabalho. Além da pressão psicológica já existente de salvar uma vida, uma quantidade enorme de cuidados e um alto índice de mortalidade nas internações graves tornam a missão ainda mais desafiadora para a saúde emocional destes profissionais.

Para a população em geral, fatores como o isolamento social, a solidão e a rotina muito mais reclusa ajudaram a intensificar e criar casos de transtornos mentais, como depressão e ansiedade. O convívio social limitado e a interação humana reduzida são desafios enfrentados por todos durante a pandemia.

A campanha do Janeiro Branco

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde é um completo estado de bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças ou demais enfermidades. A entidade ainda define a saúde mental como “um estado de bem-estar em que o indivíduo percebe suas próprias habilidades, consegue enfrentar as situações estressantes que são comuns nas rotinas diárias e é capaz de ter uma vida ocupacional produtiva”.

A campanha do Janeiro Branco foi criada em 2014, pelo psicólogo Leonardo Abrahão, de Minas Gerais, e desde então tem ganhado cada vez mais força no calendário da saúde no Brasil. O principal objetivo do janeiro branco é chamar atenção para a importância dos cuidados com a saúde mental.

A campanha escolheu o mês de janeiro porque é um simbolismo em muitas culturas que as pessoas estejam mais abertas a reflexões sobre suas vidas no começo de um novo ano. Junto com o simbolismo do início de um novo ano, é possível emplacar o começo de um novo ciclo, com mais cuidados e atenção com a saúde mental.

Para alcançar esse objetivo a campanha do Janeiro Branco realiza ações em prol do bem estar e da saúde mental, promovendo cursos, palestras, oficinas, entrevistas em diversas plataformas midiáticas, encontros, rodas de conversa e até mesmo abordagem nas ruas em locais públicos. Neste ano, devido à pandemia de COVID-19, a campanha tem priorizado espaços abertos e ações virtuais.

Cadastre-se gratuitamente no Cognys e tenha uma experiência personalizada com nossos conteúdos!
Já tem uma conta? Faça login.

Os reflexos da pandemia nos trabalhadores da saúde


A pandemia atinge a saúde mental dos trabalhadores da saúde de maneira ainda mais grave. (Fonte: iStock)

De acordo uma pesquisa realizada pela Fiocruz em parceria com outras instituições, sintomas de ansiedade e depressão atingem 47,3% dos trabalhadores de serviços essenciais durante esta pandemia de COVID-19. Os números são referentes ao Brasil e à Espanha, países onde a pesquisa foi realizada com trabalhadores da área da saúde e de outros serviços essenciais, como transportes, alimentação e limpeza.

Especificamente falando dos profissionais da saúde, um levantamento nacional aponta que 78% dos profissionais da saúde tiveram sintomas de síndrome de Burnout durante a pandemia de COVID-19. Segundo um levantamento do portal G1, a cada 11 minutos um profissional de enfermagem durante a pandemia procurou atendimento psicológico.

Para combater esses problemas causados pela pandemia e enfrentar o desafio da melhor maneira possível é fundamental estar atento a dois pontos. Procurar ajuda ao primeiro sinal de necessidade e estar atento a possíveis sintomas de qualquer alteração na saúde mental.

Pensando nisso, iniciativas como o projeto Saúde na Escuta, que oferece assistência psicológica a profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate À COVID-19 têm ganhado cada vez mais força. Em meio ao isolamento e a necessidade de continuar com o isolamento social, os atendimentos virtuais podem ser um grande aliado nesta luta.