Atuação do farmacêutico clínico na UTI

Entenda como funciona a assistência farmacêutica para suporte à vida em Unidades de Terapia Intensiva.

  • 17/12/2021
  • 0
  • 0
  • 0
Favoritar
Entenda como funciona a assistência farmacêutica para suporte à vida em Unidades de Terapia Intensiva. (Fonte: iStock)

A atuação do farmacêutico clínico pode se ramificar em diversos serviços. No rastreamento em saúde, é possível identificar alterações e riscos para a saúde de pessoas que ainda não apresentam sintomas, mas que podem sugerir uma doença. Já na consulta farmacêutica, o farmacêutico é responsável por recomendar e prescrever medicamentos, que não necessitam de receita médica, para pacientes que necessitam de algum tratamento e que trazem queixas e sintomas até a farmácia.

Outra área de atuação possível para o farmacêutico é a da conciliação de medicamentos, que traz a missão de revisão dos medicamentos em uso pelo paciente, para desta forma, orientar pacientes a respeito do uso correto e racional de medicamentos. 

Além dos âmbitos supracitados, outro serviço ganha destaque na atuação da farmácia clínica: o suporte à vida em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Esse serviço é primordial para a administração de medicamentos e intervenções necessárias em pacientes que estão em situação grave. Por isso, entenda como é a atuação do farmacêutico clínico em Unidades de Terapia Intensiva e suas principais atribuições e especificidades para um cuidado eficaz do paciente.

Principais atribuições do farmacêutico clínico na UTI

Integrando a equipe multiprofissional de cuidado ao paciente, presente em uma UTI, os farmacêuticos estão aptos a realizar o acompanhamento de todo o processo de internação, através de Intervenção Farmacêutica (IF). Desta forma, podem ser resolvidos ou evitados problemas e interações que possam causar interferências na medicação, de forma a garantir segurança para o paciente.

Dentre as principais responsabilidades do farmacêutico clínico na UTI estão:

  • Verificar o uso de profilaxias;
  • Participar de visitas;
  • Acompanhar o uso de antimicrobianos: indicação, tempo de tratamento, doses;
  • Monitorar possíveis incompatibilidades para a administração de medicamentos;

No dia 31 de outubro de 2019 foi aprovada a regulamentação emitida pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) que tem como objetivo principal a ampliação do campo de atuação do farmacêutico clínico, incluindo sua atuação em unidades de terapia intensiva (UTI).

Desta forma, o farmacêutico clínico deverá, durante todo o seu período de trabalho na UTI, dedicar-se exclusivamente ao cuidado do paciente que se encontra em estado grave. Além disso, foi previsto que a cada 15 pacientes em estado crítico é necessário a presença de um farmacêutico clínico. No entanto, esse número pode variar de acordo com a necessidade e complexidade de cada caso, e dimensão das instituições.

Cadastre-se gratuitamente no Cognys e tenha uma experiência personalizada com nossos conteúdos!
Já tem uma conta? Faça login.

Especificidades da terapia intensiva

Dentro do ambiente de terapia intensiva, geralmente não existe um padrão de pacientes. Condições diferentes podem fazer com que o paciente fique em estado crítico. Como, por exemplo, traumas, doenças crônicas agudizadas, infecções, entre outros.

O uso de medicamentos para lidar com os mais diversos casos presentes em UTIs permite que sejam tratados, prevenidos, e retardadas doenças ou sintomas, com a finalidade de gerar melhorias na saúde do paciente e servir como suporte nos diagnósticos clínicos. Quando existem falhas no uso de medicamentos, as consequências podem ser graves, como mortalidade de pacientes e grandes gastos para a instituição.

Ainda que o processo seja complexo, a utilização dos medicamentos necessita de ações integradas da equipe multidisciplinar de saúde para que, desta forma, os resultados da farmacoterapia sejam otimizados. Esse trabalho é de responsabilidade do profissional farmacêutico, indicando qual medicamento será mais adequado para cada dose, avaliando também sua interação com outros medicamentos.

Portanto, o acompanhamento farmacoterapêutico dentro da Unidade de Terapia Intensiva se mostra como um serviço de análise de quadro clínico, fatores de riscos, eventos adversos e tratamento de pacientes. Desta forma, o profissional é capaz de implantar intervenções gerenciais para auxiliar nos cuidados intensivos do paciente, garantindo proteção e prevenção da saúde de cada um deles.

Cognys Meds

Para auxiliar e otimizar o dia-a-dia do farmacêutico na UTI, a ferramenta inteligente de suporte à decisão clínica, Cognys Meds, desenvolvida com tecnologia IBM Micromedex, entrega um potente conjunto de ferramentas, dentre as quais estão a Lista de Medicamentos do Paciente (LIMPA) e o Bulário Cognys, sempre aliadas ao painel de interações medicamentosas.

O conjunto de ferramentas disponível no Cognys Meds trará um ganho de produtividade para o profissional e maior segurança para o paciente. Desta forma, os benefícios do produto vão afetar diretamente na qualidade do atendimento do paciente e na performance do farmacêutico em atuação.

Para saber mais sobre o Cognys Meds, acesse o site.

Cognys
Cognys

O Cognys é uma solução digital completa, que entrega para o profissional da área de saúde os mais importantes recursos para ajudá-lo em sua rotina diária e aprimoramento constante.

COGNYS
uti
farmacia
farmacia clinica